Introspecção à Blockchain

No final de 2017, a indústria de blockchain estava em pleno frenesi. Novos projetos de blockchain estavam sendo anunciados diariamente e o hype em torno de redes populares como Bitcoin e Ethereum estava no teto. Mas essa exuberância irracional desapareceu rapidamente, tirando toda a indústria dos olhos do público em questão de meses.

O frenesi inicial pode ter acabado, mas o blockchain como uma revolução tecnológica está apenas começando. As redes Blockchain estão trabalhando duro para fornecer serviços descentralizados para consumidores e empresas em todo o mundo. Não, as blockchains não resolverão todos os problemas tecnológicos da era digital, mas se tornarão ferramentas e plataformas úteis para novas ondas de inovação. Para entender isso, você deve primeiro entender completamente o que é um blockchain, como funciona e por que a tecnologia é importante.

Vamos dar uma olhada em alguns conceitos básicos de blockchain para que você possa entender melhor o que é a tecnologia blockchain e por que ela é importante.

O que é a tecnologia blockchain?

Um blockchain é um banco de dados distribuído usado para rastrear e armazenar informações. Uma analogia frequente de blockchain é a de um livro-razão. Um contador usa um livro-razão para acompanhar as transações financeiras. Dentro do livro há uma contagem de todos os débitos e créditos dessa conta, o que ajuda a determinar o saldo da conta. Cada vez que há uma transação, ela é registrada junto com a mudança no saldo da conta.

Agora, imagine que este livro-razão estava aberto a uma rede pública, onde qualquer pessoa que queira visualizá-lo ou solicitar a adição de uma transação ao livro-razão é permitida. Quando uma transação é solicitada, ela pode ser visualizada para garantir que esteja alinhada com o saldo atual do livro-razão e, portanto, é uma transação válida. Como todos estão visualizando o mesmo livro-razão, é fácil para a maioria das pessoas na rede garantir que a transação seja finalizada. Se isso acontecer, é lançado no livro-razão, que é atualizado imediatamente para todos na rede.

Esta é a base de como um blockchain opera. Um blockchain promete manter todos os dados da transação para um livro descentralizado e aberto. As informações da transação são agrupadas em blocos com cada bloco vinculado aos blocos que vêm antes e depois dele em uma cadeia, daí o nome blockchain.

Mas os livros de blockchain não armazenam apenas informações financeiras, eles podem acompanhar qualquer dado imaginável.

Como as blockchains começaram?

Enquanto o público em geral via o fundador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, como o garoto-propaganda do blockchain, a ideia de redes blockchain estava sendo formulada anos antes. De fato, um artigo acadêmico de 1991 dos cientistas da computação Stuart Haber e Scott Stornetta intitulado “Como marcar um documento digital” foi uma das primeiras grandes descobertas tecnológicas que levariam às redes blockchain.

Haber e Stornetta descobriram um método de registro de data e hora de informações digitais para que ficassem imunes a adulterações. Eles acreditavam que isso ajudaria em muitos casos em que há necessidade de certificar o histórico de um documento. Para isso, eles introduziram a ideia de criar uma cadeia onde os documentos pudessem ser visualizados de forma baseada no tempo. Apenas um ano depois, a dupla, juntamente com Dave Bayer, incluiu árvores merkle no processo, o que introduziu mais segurança e eficiência no processo.

Então veio o grande avanço do blockchain. Um personagem pseudônimo chamado Satoshi Nakamoto publicou o whitepaper Bitcoin em 2008, que reuniu as informações coletadas da década anterior sobre marcação de tempo, criptografia e descentralização para criar uma nova tecnologia financeira. Nakamoto pegou a ideia de timestamp e juntou-a a um método de verificação de informações sem a necessidade de um terceiro confiável. Foram os insights de Nakamoto que deram lugar à revolução blockchain que ocorre hoje.

Como funciona o blockchain?

Pense em como um contador verifica as transações. Eles vão para a origem de uma transação, validam sua precisão e, em seguida, incluem a transação no livro-razão. No entanto, qualquer pessoa pode incluir uma transação em um blockchain. Então, como essas transações podem ser validadas?

Mecanismos de consenso

Para verificar qualquer transação, a maioria dos participantes da rede blockchain precisa concordar com sua validade. É aqui que os mecanismos de consenso entram em ação. Um mecanismo de consenso é uma camada de confiança pública usada para obter um acordo sobre dados dentro de uma rede blockchain. Quando as informações são adicionadas ou atualizadas, os participantes da rede blockchain devem chegar a um consenso quanto à precisão das novas informações.

Existem várias maneiras de alcançar o consenso de rede, mas, como está atualmente, existem dois principais mecanismos de consenso usados ​​pelos blockchains:

Prova de Trabalho (PoW)

Nesse mecanismo de consenso, os participantes da rede (conhecidos como mineradores) resolvem uma série de cálculos matemáticos complexos para descobrir novas transações. Os mineradores devem resolver uma função de hash (uma série criptografada de letras e números que correspondem às informações da transação) para confirmar as informações da transação e criar um novo bloco no blockchain. Uma vez que um minerador resolve corretamente uma função de hash, ela é transmitida para todos os nós na rede blockchain para confirmar a precisão e validade das informações. A recompensa para os mineradores por descobrirem um novo bloco de transações é uma criptomoeda recém-criada. Esse método impede invasores na rede, pois exigiria uma quantidade significativa de poder de computação e, portanto, dinheiro para realizar um ataque em uma blockchain PoW.

Prova de participação (PoS)

Os nós de rede apostam sua própria criptomoeda na rede para verificar as transações. Novos blocos são criados por nós com base em uma seleção aleatória que geralmente incorpora uma combinação de quantos tokens são apostados e por quanto tempo. Se houver uma tentativa de falsificar transações, a criptomoeda apostada é perdida para sempre, criando um incentivo econômico para que as transações sejam verificadas corretamente.

Ciclo de vida de uma transação blockchain

Cada transação blockchain passa pelo mesmo processo de validação e segurança antes que seu destino seja selado na blockchain para sempre. Aqui está o ciclo de vida de uma transação blockchain:

  • Uma solicitação de transação é enviada de um usuário para o blockchain;
  • A solicitação é transmitida a todos os participantes na rede blockchain;
  • Cada participante da rede valida que a transação é válida;
  • A transação válida é armazenada em um bloco;
  • Quando o bloco está cheio, é verificado através do mecanismo de consenso para ser completamente preciso e bloqueado;
  • Depois que o consenso é alcançado, o bloco é adicionado ao blockchain onde é armazenado para sempre.

Fazendo alterações em um blockchain

Como um blockchain nada mais é do que um protocolo, ele está em constante atualização e aprimoramento. No entanto, blockchains não operam em uma estrutura corporativa tradicional com líderes tomando decisões executivas. Então, se as blockchains são realmente descentralizadas, quem decide se deve adaptar novas mudanças de protocolo e como essas mudanças são aplicadas?

Uma nova mudança para um blockchain pode ser proposta por qualquer pessoa na rede. Mas, a maioria dos participantes da rede precisa concordar com essa mudança para que ela entre em vigor. Se houver divergências em relação a uma mudança proposta, um fork no blockchain será ativado. Existem dois tipos de garfos que podem ocorrer.

Hard fork

Uma bifurcação rígida, mais conhecida pelo termo hard fork, ocorre quando um grupo de nós de rede continua a usar regras antigas para validar transações, enquanto outro grupo de nós usa um conjunto atualizado de regras. Como esses dois grupos não podem mais se comunicar um com o outro, o blockchain se divide em duas cadeias separadas, uma usando o antigo conjunto de regras e a outra usando as novas regras. Esses dois blockchains são idênticos até o ponto do hard fork e depois seguem caminhos separados. Os usuários que detêm criptomoeda antes do hard fork mantêm seus tokens mantidos antes do fork e recebem tokens do novo blockchain criado como resultado do fork (por exemplo, os detentores de Bitcoin mantiveram seu Bitcoin e receberam tokens Bitcoin Cash após o hard fork da rede)

Tanto o Bitcoin quanto o Ethereum experimentaram hard forks como resultado de diferenças de opiniões sobre certas ações dentro da comunidade. O mais infame hard fork do Bitcoin ocorreu quando houve uma discussão sobre aumentar ou não o tamanho do bloco no blockchain do Bitcoin. Um grupo de nós (Bitcoin Cash) mudou para um novo conjunto de regras que aumentou o tamanho do bloco, enquanto outro grupo (Bitcoin) continuou usando o conjunto original de regras.

Enquanto alguns forks ocorrem devido a divergências de protocolo, outros são gerados por pessoas que procuram clonar um protocolo blockchain existente e fazer alterações na estrutura. De fato, o Bitcoin viu mais de 44 forks de sua blockchain na tentativa de usar a espinha dorsal de sua base de código, mas melhorar o protocolo de várias maneiras.

Soft fork

Uma bifurcação suave, mais conhecida pelo termo soft fork, ocorre quando há uma alteração no protocolo blockchain, o que torna inválidas as transações anteriormente válidas. Portanto, um soft fork é compatível com versões anteriores e todos os nós ainda poderão se comunicar uns com os outros na mesma cadeia. Isso geralmente ocorre quando novas regras de blockchain são implementadas que não contradizem ou colidem com o conjunto anterior de regras. Os soft forks são muito menos controversos do que os hard forks, pois não criam um blockchain separado.

Smart Contracts

Pense na última vez que você tentou comprar uma casa. Mesmo depois de negociar o preço e chegar a um acordo, é preciso tempo e energia significativos para selar o acordo. Há uma montanha de papelada para completar e coordenação necessária entre um inspetor, credor hipotecário, serviço de custódia, corretores de imóveis, a lista continua. Em suma, o processo é assustador.

Agora, imagine se você pudesse abrir mão de toda essa dor de cabeça com o uso de código pré-programado que o ajuda no processo de compra de casa de uma maneira mais tranquila. Esse código poderia não apenas mover o processo mais rapidamente, mas também atuar como um serviço de custódia para lidar com todas as transações financeiras. Essa é a ideia por trás dos contratos inteligentes.

No passado, se você quisesse realizar qualquer tipo de contrato, era necessário um terceiro de confiança para verificar o contrato e que seu conteúdo fosse cumprido de forma justa. Com contratos inteligentes, o código de computador verificado substitui qualquer intermediário ou terceiro e verifica o contrato automaticamente. Ao remover partes desnecessárias do processo e automatizar os próprios contratos, os contratos inteligentes reduzem a fraude, atenuam a arbitragem e outros custos e aceleram o processo para todos os tipos de transações.

A ideia de contratos inteligentes existe há décadas, mas é somente através do uso de redes blockchain descentralizadas que essa ferramenta está se tornando realidade. As blockchains eliminam qualquer necessidade de intermediário na execução de um contrato, eliminando custos desnecessários e economizando tempo.

O poder das Organizações Autônomas Descentralizadas (DAOs)

Com os contratos inteligentes em vigor, um mundo inteiro se abre para que as redes blockchain executem novos tipos de organizações completamente autônomas. Uma organização autônoma descentralizada, ou DAO, representa a próxima evolução das organizações que são operadas completamente por código de computador que pode ser facilmente verificado. A própria organização é controlada por seus membros e, por meio de contratos inteligentes, pode executar qualquer tarefa imaginável. Em teoria, os DAOs escapam ao controle do governo para se tornarem organizações globais e vivas.

  • Descentralizado: não precisa de nenhuma entidade única para operar e é de propriedade e operado por uma rede de participantes;
  • Autônomo: Funciona por conta própria por meio de um conjunto de regras pré-programadas, sem a necessidade de intervenção humana;
  • Organização: Um grupo de participantes todos trabalhando juntos para o mesmo objetivo declarado;

Os DAOs usam criptomoedas como propriedade interna, o que é útil para recompensar atividades e dar aos usuários direitos de voto na hora de tomar decisões sobre o próprio DAO. Os DAOs operam usando redes blockchain para fornecer um livro digital seguro para rastrear todas as transações realizadas pela organização, permitir votação, pagar funcionários e realizar qualquer outra função que uma organização possa precisar.

Em teoria, o Bitcoin foi o primeiro DAO, pois é organizado em torno de um conjunto de protocolos, não pertence a nenhuma entidade centralizada e cumpre um objetivo declarado (criar uma moeda global).

Por que blockchain?

A descentralização das redes blockchain é a chave para sua importância. Ao eliminar blockchains confiáveis ​​de terceiros, não apenas aumenta a eficiência nas transações globais, mas elimina os riscos de segurança e censura.

Terceiros confiáveis ​​não são seguros

O uso de terceiros em transações financeiras tem se mostrado repetidamente não apenas ineficiente, mas também inseguro. Aplicativos são invadidos e dados de usuários são roubados regularmente, empresas terceirizadas vendem dados de usuários contra sua vontade e grandes corporações que atuam como intermediárias nem sempre são verdadeiras em seus negócios.

Ao eliminar terceiros em todos os tipos de transações, os blockchains criam sistemas nos quais não há confiança necessária para garantir segurança e transparência na rede. Todas as transações são tornadas públicas e verificáveis ​​(até certo ponto, dependendo da rede), e a verificação é completada não por uma entidade centralizada, mas por toda uma rede de validadores.

Remessas transfronteiriças

Embora o mundo tenha se tornado menor devido à globalização, ainda é demorado e caro enviar fundos através das fronteiras. Os pagamentos transfronteiriços podem custar uma média de 7% apenas em taxas e levar muito mais tempo para serem concluídos do que os pagamentos domésticos. Blockchains são projetados especificamente como tecnologia financeira geograficamente não discriminatória. Eles não conhecem limites e, portanto, as transações além-fronteiras ocorrem com mais facilidade a um custo reduzido.

Globalização

À medida que vivemos em um mundo mais global, tornou-se uma necessidade crescente de criar moedas globais. Ao unificar a moeda além das fronteiras, as blockchains permitem que qualquer pessoa faça transações em uma moeda comum, independentemente de sua localidade. Dessa forma, as redes blockchain permitem que usuários em qualquer lugar do mundo realizem transações usando moedas globais comuns que são muito mais transparentes do que suas contrapartes fiduciárias.

Onde as criptomoedas se encaixam?

Como as blockchains dependem de uma rede de partes interessadas para verificar as transações, esses participantes precisam de incentivo econômico adequado para garantir que atuem no melhor interesse da rede. Sem esse incentivo, eles podem falsificar transações em benefício próprio. Para combater a fraude, as blockchains usam uma combinação de teoria dos jogos econômicos e criptomoedas.

O que é criptomoeda afinal? Uma criptomoeda é um ativo financeiro apoiado pela blockchain. Por que não usar moedas fiduciárias em vez de criptomoedas? As criptomoedas são necessárias porque a moeda fiduciária centralizada está sujeita aos caprichos de suas entidades controladoras. Por exemplo, se a validação do Bitcoin fosse incentivada usando o dólar americano, eventualmente, o governo federal dos EUA poderia alterar a economia do dólar para prejudicar o Bitcoin. Ou, entidades governamentais podem restringir o uso de moedas fiduciárias em redes blockchain.

Isso torna a moeda fiduciária não uma forma viável de moeda para uma rede descentralizada e levou à criação de criptomoedas para atuar como incentivo econômico e meio de troca com o qual os validadores de rede são recompensados ​​por verificar as transações com sucesso.

Para que serve o blockchain?

O Bitcoin tornou as blockchains populares, mas essa inovação tecnológica é muito mais do que enviar e receber dinheiro no setor de serviços financeiros. Como mencionado anteriormente, essas redes podem armazenar qualquer tipo de informação, o que cria muito mais usos de blockchain do que se imaginava inicialmente. Talvez você tenha se perguntado o que é o Ethereum ou se ele é usado para os mesmos propósitos do Bitcoin?

Vamos dar uma olhada em alguns aplicativos blockchain e os benefícios que eles oferecem:

ÁreaAplicaçãoBenefíciosProtocolo
Serviços financeirosPagamentos transfronteiriços;
Reserva de valor;
Liquidez global;
Fonte de dinheiro transparente;
Sem controle ou manipulação dos governos;
Diminua os custos de transação;
Bitcoin;
Bitcoin Cash;
Litecoin;
Ondulação;
Computação descentralizadaCrie uma rede para computação descentralizada;
Permitir que dApps sejam construídos em cima da rede;
Nenhum ponto central de falha;
Falta de controle e censura do governo;
Ethereum;
EOS;
Tezos;
Cardano;
Armazenamento de arquivosTransfira e armazene arquivos com segurança;Maior segurança;
Armazenamento de arquivos criptografados;
Filecoin;
Storj;
Gestão de cadeia de suprimentoAcompanhe os produtos na cadeia de suprimentos do início ao fim;Rastreamento confiável em toda a cadeia de suprimentos;
Atualizações em tempo real e alertas de status do produto;
VeChain;
Waltonchain;
Propriedade intelectualRastreamento de direitos de propriedade intelectual e marcas registradas;
Registro de patentes descentralizado;
Crie um registro único para IP e patentes;
Use contratos inteligentes para automatizar e executar transações de patentes;
GoChain;
Bernstein;
Gestão de identidadePermitir que os usuários verifiquem uma identidade digital em uma rede descentralizada;
Sem controle central de identidade;
A identidade é transferível globalmente;
Reduza a chance de roubo de identidade;
Civic;
Decentralized Identity Foundation;

O blockchain é seguro?

Tudo isso faz com que as blockchains pareçam ótimas em teoria, mas e sua segurança? Como as blockchains são mais seguras do que suas contrapartes centralizadas? Para começar, as redes centralizadas representam uma ameaça à localidade. Imagine que há um arquivo grande com dados confidenciais armazenados em um servidor centralizado. Tudo o que um hacker precisa fazer é invadir um servidor e recuperar os dados confidenciais. Alternativamente, uma rede blockchain descentralizada exigiria que o hacker invadisse a maioria da rede distribuída para acessar as informações desejadas. Os dados do Blockchain não podem ser violados por meio de um ataque único e, em vez disso, seria necessário um grande ataque bem coordenado na maioria dos nós da rede para ser bem-sucedido.

Essa mesma filosofia também se aplica a tentativas de derrubar uma rede inteira, de forma maliciosa ou por engano. Os mecanismos de consenso do Blockchain ajudam a combater um ataque distribuído de negação de serviço (DDoS) que pode derrubar uma rede inteira em um instante.

Enquanto isso, o erro humano também resultou em interrupções na Internet. Um erro de um funcionário da Amazon levou a uma enorme interrupção da Amazon Web Services (AWS) em 2017, derrubando grande parte da Internet junto com ela. A Amazon admitiu que um de seus funcionários acidentalmente derrubou mais servidores do que pretendia, iniciando uma cascata de problemas para a gigante da tecnologia. Como os nós de rede em uma blockchain são entidades independentes e distribuídas pela rede, não há como um nó derrubar o resto da rede, mitigando esse risco.

Acha que isso é apenas conversa? Vá em frente e pergunte ao blockchain do Bitcoin, que está operacional há 99,98% do tempo desde seu início, com as duas interrupções anteriores em março de 2013 e agosto de 2010.

Potenciais desvantagens do blockchain

Embora as blockchains possam ser apontadas por cypherpunks e defensores de criptomoedas como a cura para todos os problemas tecnológicos, elas não vêm sem seus próprios problemas.

Centralização

A descentralização das redes blockchain é relativa. Algumas redes são mais descentralizadas do que outras, o que permite apenas validadores de rede selecionados para verificar as transações. Essa centralização não oferece nenhum benefício significativo ao armazenamento de dados em um banco de dados tradicional. Mesmo as redes blockchain que se consideram totalmente descentralizadas geralmente não são e quase sempre dependem de algum tipo de serviço centralizado intermediário ou de terceiros (como trocas de criptomoedas para liquidez) para garantir o sucesso da rede.

Escala

Ainda não existe um blockchain que tenha escalado o suficiente para lidar com grandes quantidades de transações. De fato, quando as blockchains se tornaram mais populares no final de 2017, os custos de transação aumentaram nas principais redes de blockchain, enquanto o tempo necessário para validar uma transação diminuiu substancialmente. A escalabilidade está sendo abordada de várias maneiras, desde soluções de segunda camada (ou seja, a Lightning Network do Bitcoin), até atualizações e melhorias das blockchains atuais (ou seja, Ethereum 2.0), mas essas soluções ainda precisam resolver completamente o problema de dimensionamento de blockchain.

Crime

Uma das primeiras bandeiras vermelhas levantadas pelos detratores do blockchain foi o anonimato das redes blockchain. Esse recurso, segundo alguns, permite a lavagem de dinheiro e outros tipos de fraude dentro do sistema financeiro com muito mais facilidade do que pelos canais tradicionais. Os criminosos podem ocultar a origem dos fundos por meio dessas redes e os pagamentos de bens e serviços ilegais podem ser feitos usando criptomoedas extremamente difíceis de rastrear até seus usuários. No entanto, é um equívoco chamar as criptomoedas de anônimas. Em vez disso, esses ativos baseados em blockchain são realmente pseudônimos e, dessa forma, são semelhantes ao dinheiro. Eles fornecem privacidade aos usuários, mas não tanto que as transações não possam ser rastreadas, se necessário.

Consumo de energia

Como as blockchains de prova de trabalho (PoW) exigem cálculos intensivos em energia para manter a rede, elas consomem muita energia. Bitcoin ainda não é uma moeda global, mas já consome mais energia do que muitas nações. Várias cidades e países chegaram a proibir a mineração de criptomoedas na esperança de conter esse alto uso de energia.

Dados imutáveis

De muitas maneiras, o recurso blockchain de imutabilidade de dados também é uma desvantagem. A lei da imutabilidade dos dados afirma que um dado não pode ser alterado ou alterado depois de criado. O caso mais conhecido em que a imutabilidade do blockchain criou tensão foi no hack DAO, onde em 2016 cerca de US$ 50 milhões em ether foram roubados de uma organização autônoma descentralizada (DAO) na rede Ethereum. Isso criou incerteza na comunidade Ethereum, pois muitos queriam bifurcar o blockchain para consertar o roubo e reverter o ether roubado de volta para seus proprietários originais, enquanto outros acreditavam que uma característica importante das redes blockchain é que nenhuma transação pode ser alterada a qualquer momento. sempre. Isso acabou levando a rede a criar um hard fork, resultando em duas redes distintas, Ethereum e Ethereum Classic, que continuam até hoje.

Mas a imutabilidade não é apenas um problema no roubo, também pode ser um problema quando se trata de erros de dados. Imagine que você está tentando enviar criptomoeda para um membro da família, mas acidentalmente insere o endereço incorreto da carteira do destinatário. Depois de clicar em enviar, a transação será processada e não há como desfazer seu erro. Isso é especialmente um problema para usuários de blockchain novos e inexperientes que não se sentem à vontade para executar transações.

Governos e blockchain

O ethos do blockchain não deve ser censurado por qualquer entidade centralizada. Essa descentralização – que se estende para fora das entidades corporativas e também para os governos – é uma das principais razões pelas quais as blockchains são úteis. No entanto, mesmo que as redes blockchain tentem subverter os governos, ainda existem muitas maneiras pelas quais os governos podem se beneficiar dessas soluções.

Blockchains podem melhorar a supervisão do governo

Alguns governos estão adotando a tecnologia blockchain e explorando como ela pode ser uma ferramenta útil para melhorar os processos regulatórios e governamentais ineficientes. Aqui estão as maneiras pelas quais alguns países estão buscando soluções blockchain:

  • Estados Unidos – Rastreamento da FDA de medicamentos prescritos via blockchain;
  • Estônia – Blockchain para suprir identidades digitais para cidadãos;
  • Canadá – Contratos governamentais baseados em Blockchain;
  • Dinamarca – Realização de eleições internas;
  • Geórgia – Registro de terras baseado em Blockchain;
  • Reino Unido – Acompanhamento de distribuição de carne.

As relações entre Blockchain e governo

As entidades governamentais procuram controlar todos os aspectos de seu sistema financeiro local, desde a distribuição de moeda até os impostos e tudo mais. No entanto, as redes blockchain fazem tudo o que podem para contornar esse controle e manter sua independência, colocando esses dois em desacordo um com o outro.

Não há consenso entre os governos sobre como as redes blockchain e as criptomoedas devem ser tratadas e, por esse motivo, parece que todos os países estão tomando o assunto em suas próprias mãos em relação à legalidade das criptomoedas. Alguns regimes governamentais deixaram claro que não aprovam as criptomoedas, chegando a proibir completamente os ativos digitais. Outros países estão adotando a tecnologia e esperam criar uma linha clara de comunicação entre essas redes e entidades governamentais.

Análises públicas

Tanto aqueles dentro da indústria de blockchain quanto aqueles que entendem completamente a tecnologia subjacente já estão cientes de como esse fenômeno está mudando o mundo. Vamos ouvir o que as pessoas do mundo financeiro e tecnológico têm a dizer sobre blockchain:

  • “Enquanto a maioria das tecnologias tende a automatizar trabalhadores na periferia, realizando tarefas domésticas, as blockchains automatizam fora do centro. Em vez de tirar o emprego do taxista, o blockchain tira o emprego do Uber e permite que os taxistas trabalhem diretamente com o cliente.” – Vitalik Buterin, cofundador da Ethereum, janeiro de 2019.
  • “Blockchain é o futuro dos aplicativos, mas obter acesso à tecnologia tem sido muito difícil. Agora que o Blockchain faz parte da Salesforce Platform, é tão fácil quanto adicionar Einstein AI, Mobile ou Voice aos seus aplicativos corporativos.” – Marc Benioff, CEO da Salesforce, junho de 2019.
  • “Se estivéssemos construindo um sistema financeiro do zero hoje, faríamos isso em uma plataforma digital. O digital pode reduzir o custo de uma série de transações em até 90%, fornecendo acesso quase universal a produtos e serviços financeiros inovadores.” – Bill Gates, fundador da Microsoft, dezembro de 2018.
  • “Sempre apoiamos o blockchain. Sempre acreditamos que é uma boa tecnologia.” – Umar Farooq, chefe de serviços de tesouraria digital do JPMorgan, fevereiro de 2019.
  • “A velha pergunta, ‘Está no banco de dados?’ será substituída por ‘Está no blockchain?'” – William Mougayar, autor de The Business Blockchain, maio de 2016.

O futuro do blockchain

A invenção da Internet trouxe a oportunidade de digitalizar muitos processos que antes eram feitos com papel e caneta. Ao longo de várias décadas, a Internet tornou-se uma tecnologia onipresente, sem a qual o mundo não poderia funcionar. Tarefas simples hoje, como enviar um e-mail ou fazer um pagamento online, eram impensáveis há apenas algumas décadas.

Assim como nos primeiros dias da Internet, ninguém sabe qual será o impacto do blockchain daqui a cinco, dez ou vinte anos. À medida que as vantagens desse avanço tecnológico se tornam cada vez mais óbvias, as blockchains se estabelecerão como peças de tecnologia necessárias para um futuro mais seguro e eficiente. Pode ser que haja um momento em que as blockchains se tornem tão onipresentes quanto a Internet ou os telefones celulares, ou pode ser que essa tecnologia seja útil apenas em alguns poucos casos selecionados. Esses primeiros dias de blockchain são um campo de testes para o que está por vir.

Discuta sobre este e outros conteúdos e temas na Assembleia Dos Fóruns Da SIGMA.

Facade Fóruns & Discussões Introspecção à Blockchain

    Nenhuma réplica encontrada.

    WP Radio
    WP Radio
    OFFLINE LIVE